quinta-feira, 12 de junho de 2008

Melhor é serem dois

Hoje vou falar de outro amigo meu. Este é um novo amigo e um amigo mais novo. Quando olho para ele, vejo como o que é importante se esconde em meio ao dia-a-dia, e como o extraordinário se revela naquilo que parece absolutamente ordinário.

Esse meu novo amigo, Patrício, tem o mesmo nome de um de meus heróis - Patrício, da Irlanda – um homem que fazia tudo ao contrário dos outros e por ir na contra-mão é reputado como sendo a alavanca que salvou o ocidente (clique aqui para saber mais).

Mas hoje vou apontar para outra característica do Patrício.

Há mais de 25 anos eu e minha esposa escolhemos um texto bíblico para marcar nossas vidas: "Melhor é serem dois do que um, porque maior é a recompensa do esforço. Se um cair, o outro levanta o seu companheiro. Mas pobre do homem que cai e não tem quem o ajude a levantar" Eclesiastes 4:9-10.

O Patrício é um dos promotores do movimento Bicicletada. Uma iniciativa libertária de mobilidade humana, que questiona a loucura da sociedade do automóvel. Ele é super comprometido, e ao mesmo tempo uma pessoa agradável e delicada na relação com os outros (como eu preciso aprender mais sobre isso...). Ele e sua esposa são ciclistas do cotidiano, e levam muito a sério cada atitude de sua vida. E até onde eu saiba, pois não fico preocupado com isso, a gente não compartilha da mesma fé.

Ele trabalha em uma grande empresa do Sul das Índias Ocidentais, em uma área técnica de responsabilidade. Como promotor de um estilo de vida sustentável, ele estimula seus companheiros ao uso da bicicleta. Após convencer alguém é comum ver o Patrício sair de casa mais cedo, ir até a casa da pessoa e acompanha-la no trajeto – normalmente desenhado por ele no Google Maps – mostrando à pessoa como chegar com segurança e animando quem vai junto. Sacrificando seu próprio ritmo, e seu trajeto pessoal, ele sai da rota, acompanha e dá o que ele chama de "mãozinha amiga". Isso somente pelo bem do outro e do mundo onde vive.

Ontem, eu e ele, com nossos 20 anos de diferença, fomos a uma entrevista numa rede local de TV. As Tvs aqui nas Índias Ocidentais ficam na parte mais alta da cidade, uma subida que não acaba. Fomos de bicicleta. Mesmo que eu me esforce, não tenho mais a energia dos vinte anos. E subir aquele aclive demanda um esforço razoável. Já para lá do meio, subindo e animado pela conversa, eu estava bem cansado, quando senti uma mão nas minhas costas. Era o Patrício, sorrindo, simplesmente encostando sua mão nas minhas costas e dizendo "é a mãozinha amiga, não precisa nem empurrar, é só um estímulo". E lá fomos nós até o cume.

Eu falei que não sei se temos ou não a mesma fé, mas uma coisa sei sobre o Patrício. Ele tem me feito pensar de modo mais profundo na minha e me faz lembrar que trabalhamos para o mesmo chefe.

Como eu disse, ele nem sabe um monte de coisas, mas uma delas fica aqui: que sem saber, e fazendo tudo ao contrário da lógica, ele me fez lembrar do texto da minha vida, porque ao invés de falar, ele demonstra com atitude que sem dúvida, "melhor é serem dois".

4 comentários:

Danilo disse...

A bicicleta é o alimento orgânico do trânsito...
Sem agrotóxicos e sem sujar o terreno.
E tal qual a agricultura orgânica é atacada pelo comércio da "evolução". A amizade que nasce das diferenças e baseia-se em pontos de convergências, respeitando a pessoa do outro é o alimento orgânico da alma e dos relacionamentos.
Isto é estar na rua com DEUS.
Abraços;
Danilo

Marcelo Aceti disse...

No início deste ano decidi ir para a faculdade de bicicleta; foram contra, acharam caro comprar bicicleta, outros ainda que eu não teria ânimo para fazê-lo por mais de um mês.
...
Após um mês de "bicicletada", considerei: 1- não pagar passagens de ônibus pagou minha bicicleta; 2- o cansaço não me fez desistir, mas sim assumir um novo estilo de vida com alimentação adequada e água (muito mais água); 3- ganhei muito mais tempo! Embora a velocidade máxima de não seja tão grande por depender de minhas fracas pernas, não há congestionamento.
Por fim, e aqui reside o Melhor:
A tranquilidade proporcionada; o trajeto se torna um passeio, com direito a vista para o mar, exercício e oração; é ótimo pedalar pensando na maravilha q é tudo isso. Não poluo, me exercito, deixei de perder 40min de trânsito para ganhar 15 de vida!
De fato, me sinto "Na Rua Com Deus!"

Beda disse...

Bem Cláudio, é inegável que o que vocês postam nasce, de alguma forma, primeiramente no coração de Deus, pelo menos é a sensação que deixa, ao fim de cada "post". Me tem feito refletir, me tem feito aprender, e também a transmitir, quando não para a Márcia, para meus colegas de faculdade e de trabalho. Mesmo em meio a tanta correria, os 15 minutos de leitura no fim do dia é quase que essencial. O seu blog é fantástico pois reflete o cotidiano de um apaixonado por Deus, assim como nós (Eu e Márcia) somos. O lecionário me tem feito estreitar minha leitura, meu estudo, minha busca... é isso

[...] disse...

Caro Cláudio,

Conheço o Patrício (a quem me apresentaram como Luís Cláudio) bem menos que você. Temos amigos em comum, mas nunca fomos muito próximos. Mesmo assim, sempre me chamou a atenção a forma simpática como ele me tratava a cada vez que nos reencontrávamos. Outro dia, por força de uma coisa que ninguém sabe explicar, descobri que ums dos meus novos amigos é irmão dele. Foi um surpresa saber desse vínculo. Sinceramente, não convivi muito com o "Patrício" pra saber desta tal "mãozinha amiga" e de seu engajamento no movimento Bicicletada. Mas basta-me saber que ainda há gente que olha adiante do próprio nariz e se preocupa com o mundo que deixará para os próximos passageiros.
Sds,

Adriano Rodrigues
Sao Luis, MA
Jornalista

P.S.: Mania de jornalista: seu texto flui fácil e faz a leitura agradável. Parabéns!