quinta-feira, 30 de setembro de 2010


Yesterday I was talking to one of my best friends about her desire to know how to make things, to recover her ability to produce things, and to take on tasks that were part of the day-to-day life of her grandmothers and aunts – a day-to-life that, for her, has become so distant .

My friend is not alone. In fact, there is worldwide movement (albeit, without coordination) that to seems to intuit and follow in the same direction as my friend's. Even without knowing why, a huge number of people around the world, especially youth, feel the inclination and desire to reclaim basic human activities like cooking, sewing, walking, biking, educating children, planting and building. Like an uncontrollable urge, - and even though the masses has been pasteurized toward dehumanization and simple activities of consumption - it has become common to see people trying to make bread, cycling and planting something in their gardens. A distant memory, a kind of dull ache is calling, and many are seeking and finding here and there – in books, free courses, in informal conversations – a way to redeem their humanity.

As my friend spoke to me, I did “the challenge of three whys.” As always, I begin by asking "Why?" And with each answer, I reply with a another "why.” I don’t do it to be malicious, but rather because I know that from the whys come the answers and opportunities for conversation that generate learning.

Back to doing and making things.

This recent but widespread turn toward taking responsibility for key parts of life like food or self-transportation could – as with anything else – simply be a fad OR a hip thing to do that gets co-opted by the interests of the market for selling more books and recruiting students for more courses. It may even be a new way to distract us from the essentials in life, becoming one more commodity to be marketed in our world that turns everything into commodities.


One question I use to start talking about the whys is: What is the main difference between your house and the house of your great-grandmother?

After much thought, I usually get vague answers or a simple "I don’t know." From there I try to show most people that the difference is that our homes have become Centers of Consumption, while those of our grandparents and great-grandparents were Centers of Production. Food, clothing, energy, materials, decorations, gifts and objects were produced for use in homes. Almost everything the family needed was within reach of skillful hands, which not only produced, but also repaired, maintained and adapted things to new uses when something became permanently unusable.

Look at your home and at everything you use. Now, ask yourself: What is the percentage produced by you? What percentage of the food, energy, clothes, ingredients or the decorations is the work of your hands? How did these things come into your house? How did they become part of your life? What is your ability to maintain them without having a maid, calling a mechanic, buying a replacement or paying for a service?

To grasp how far we’ve come from our great-grandparents’s homemaking, just think about how our homes are arranged/set up. Formerly, a girl started to make her outfits while still in her infancy, taking years to accumulate sheets, towels, objects, painting, embroiderings and sewing. It was not just a question of the romantic and artistic side of things, but also a concern for practical in which there was beauty and uniqueness in what was produced. These tasks could take a lot of time, and they could be very costly. Many other activities were interspersed with this task, and so it was necessary to start early.

And today? Credit cards and shopping lists for wedding showers in department stores (or in exclusive stores) have replaced thousands of hours of thinking, preparation, living and acquiring skills, all centered around the home.

Currently, obtaining the means to have and equip a house requires a sacrifice, and what gets sacrificed is the home. Hours and hours of exhausting work, two working parents, insane traffic, and children away from parents all day. Why?

To obtain the only assumed means of access to everything that we need for our homes – money.

Meanwhile, our houses are cluttered with unused things, with time-saving devices, while we miss out on living. Our kitchens smell like Lysol, instead of being permeated with the aroma of wine, garlic, and fresh bread. Our expensive stoves are used only on the weekends or to warm up fast food.

If we want to have a why for reclaiming those skills that intuitively attract us, perhaps thinking of reclaiming our homes as a center of production and not simply as centers of consumption is a good starting point.


God created us to be fruitful/productive, not only in terms of children, but also to express the ability to create, produce and maintain the cycle of life and life in abundance. God made us to be producers – icons of God’s own life and fecundity. The human consumer, possessing the power to bring up everything that one needs without using one’s hands, talents and abilities given by God is the fruit/icon of a distortion of creation.

Initially only the powerful – through a lot of force and violence – had access to immaculate manicured houses with everything in order without having to work for it, or access to a food supply without thinking about production, or access to locomotion without walking. Only a Pharaoh, a Caesar, a king, or a noble – usually kept in power through some form of oppression – would have access to such things. What’s more, such nobility lived in fear, surrounded by guards, and were most often the victims of jealousy and betrayal.

Both aspects – jealously and betrayal – have today become part of ‘life as usual’ for a growing mass of people. Like the kings and nobles of the past, they consume, destroy, and remain fiercely attached to the power of ownership. Like the nobles of the past, they delegate their children to tutors: all day and for long periods, in order to get them back when they're older and ready to assume the role of those-in-charge, never the role of producers. Twelve hours of study, away from parents, with guardians and tutors–this was once the sole privilege of royalty. Today it has become an “universal human right.”

Just as this kind of attitude in the past created empires which, in turn, became ruins, our current empire of consumption and inability and deficiency is headed for collapse. If we are to survive, regain our humanity, and embark in another direction toward life, then it is vital that we know the way back to the situation for which God created us: as creative beings with great potential to produce and participate in the cycle of life. For this is one aspect that gives us the intrinsic dignity of being made in God’s image and likeness, participants in the creation and producers of food (comida), culture and cultivation, producing all of these things as an expression of the proper way to worship.


The environmental challenges we deal with every day are directly related to the transformation of our homes into centers of consumption.

Please note: Everything that comes into our homes does so with packaging; this packaging leaves our homes in the form of pollution. Nothing remains. Nothing is durable. Things are just thrown out, as if there existed a place in the world called “out.” For the many who speak of throwing something out, there must be something magical happening in the universe, since "out" would mean a kind of black hole where everything would disappear, when in fact what happens is that our "out" means that something we do not want must be launched at the head of another person, another system or another neighborhood. The result: we transform the Circle of Life into a Chain of Waste. And we imprison ourselves with these endless chains that end up poisoning our minds and bodies.

To have access to this Chain, we seek money. And to get money, we subject ourselves to more job hours/employment. We turn ourselves into objects. As Marx would say, we reify ourselves. In other words, we become pieces that fit into a gear and to deal with the situation, we go after more and better jobs. In doing so, our employment creates a lot of pollution. It also transforms our chains into golden handcuffs for a lifetime.

And to have employment/jobs, we have two cars per family, or we use a lot of public transportation. We eat fast food to save time, or we pack into the food courts of each and every shopping center–where an average of two huge containers per day of food debris will be produced and then rot in a landfill. With every meal we generate plastic bags, plastic spoons, plastic cups, plastic knives, excess paper, wasted energy and noise that accompany each employee or executive, while enjoying his daily ration. Our children go to schools and create more gridlock, more stress, more transportation, more snacks – packaging and more packaging. With life-on-the-go and away from home, the food has to be quick and easy. Ready-made snacks take place of fruit or bread, and with this there is always more packaging. Machines and more machines, store-bought clothes, and anything that helps us to consume more, to look better and to adapt our life to employment, ends up polluting and accelerating the system. And as payment for our effort, we earn money to buy more, spend more and pollute more. Employment pollutes.

And the reason we feel bound to employment is that we do not know how to do anything but make money to buy more and do less. Meanwhile, to obtain of the impression of rest, we entertain ourselves with something silly, so that consumption fills in our rest time as well. We have fun (i.e., diversion) so that our mind can divert itself from what is important. We go out in groups to avoid being bothered by our family members. We turn on the TV to turn our minds off from what oppresses us.

(N.B.:A good way to combat the extreme pollution that plagues our planet would be to check out The Right to Creative Unemployment by Ivan Illich.)

For these and other reasons, I can say that it is important that our agenda goes beyond a simple ecological consciousness, or our habit of buying organic, or our personal tastes. We need an effective why that gives us a reason to obey what our bodies and minds –intuitively one who gropes in the dark – are leading us to desire.

We have a reason: our dignity as human beings created in God's image – and not the fruit of a cosmic fluke – calls us back, to a kind of longing for what we’ve never known, so that we can move forward, loyal and hopeful in the redemption that will one reach us.

With much affection

Claudio Oliver - First Day of Southern Hemisphere Spring 2010

(With the help of my dear friend Sam Ewell that makes me sound clearer than I could with my English Language skills)

sexta-feira, 24 de setembro de 2010


Ontem conversava com uma de minhas melhores amigas sobre seu desejo de saber fazer e de recuperar sua capacidade de produzir coisas e de assumir tarefas que faziam parte do dia-a-dia de suas avós e tias, e que para ela haviam se tornado tão distantes.

Um movimento mundial, sem coordenação e intuitivo parece seguir nessa mesma direção. Mesmo não sabendo por quê, uma enorme quantidade de pessoas pelo mundo a fora, sobretudo jovens, sente a inclinação e o desejo de retomar coisas fundamentais ao ser humano como cozinhar, costurar, caminhar, se auto-propelir, formar os filhos, plantar e construir. Como se fosse uma pulsão incontrolável, e mesmo sabendo que a massa se pasteuriza em direção à desumanização, se tornou comum ver gente tentando fazer pão, andar de bicicleta e plantar alguma coisa no jardim. Uma memória distante, quase uma dor surda os chama, e muitos buscam, aqui e ali, em livros, em cursos livres, em conversas informais, um jeito de resgatar a sua humanidade.

Enquanto minha amiga falava eu lhe fiz o desafio dos três por quês. Perguntando-lhe seguidamente: “Por quê?”, e a cada nova resposta eu respondia com um “por quê” adicional. Não fiz isso por maldade, mas por saber que daí vêm as respostas e as possibilidades de conversa que geram aprendizagem.

Voltar a fazer coisas, responsabilizar-se por partes fundamentais da vida como a comida e a propulsão, pode, como tudo, simplesmente ser fruto de modismo, pode servir a interesses de mercado, servir para vender livros e encher de alunos os cursos de gente pouco honesta ou incoerente. Pode ser até uma tendência a nos distrair do essencial da vida e pode se tornar mais uma mercadoria a ser comercializada nesse nosso mundo que transforma tudo em commodities.


Uma pergunta que uso para começar a falar dos por quês é a seguinte: Qual é a principal diferença entre sua casa e a casa de sua bisavó? Qual a mais fundamental?

Depois de muito pensar, e comumente não perceber, recebo respostas vagas, ou um simples “não sei”. A partir daí eu tento mostrar à maioria que a diferença é que nossas casas são Centros de Consumo, enquanto as de nossas avós e bisavós eram Centros de Produção. Comida, roupas, energia, insumos, decoração, presentes e objetos de uso eram produzidos nas casas. Quase tudo o que a família precisava estava ao alcance das mãos - de habilidosas mãos - que não só produziam, mas também consertavam, mantinham e adaptavam a novos usos quando algo se tornava definitivamente irrecuperável.

Olhe para sua casa, de tudo o que vocês usam, qual é o percentual produzido por vocês? Quanto da comida, da energia, das roupas, dos ingredientes, das decorações é fruto de suas mãos? Como estas coisas entraram na sua casa? Como elas se tornaram parte de sua vida? Qual sua habilidade para mantê-las sem usar uma empregada, chamar um mecânico, comprar um substituto ou pagar por um serviço?

Um exemplo fácil de perceber no que nos transformamos é visto na montagem de uma casa. Antigamente uma menina começava a fazer seu enxoval ainda na infância, levando anos para ter lençóis, toalhas, acumulando objetos, pintando, bordando e costurando. Não havia ai somente o lado artístico e romântico da coisa. Era de ordem prática a razão que gerava belezas e exclusividade de peças: demorava muito, seria muito caro e muitas outras atividades se intercalavam com essa tarefa, e por isso era necessário começar cedo. E hoje? O cartão de crédito, as listas de chá de panela e de casamento em lojas de departamento (ou em lojas exclusivas) substituíram milhares de horas de pensar, de preparar-se, de conviver e de aquisição de habilidades, todas centradas no lar.

Atualmente, para obter os meios para ter uma casa e mantê-la equipada, sacrifica-se o lar. Horas e horas de trabalho exaustivo, empregos duplos, tráfego insano, filhos o dia inteiro longe dos pais. Para quê? Para obter o único meio atual de acesso a tudo que um dia nos foi natural: O Dinheiro.

E nossas casas se entulham de coisas jamais usadas, de máquinas para ganharmos tempo, e perdermos vida, nossas cozinhas cheiram a “Bom-Ar” ao invés de exalarem o perfume de vinha d'alhos e pães fermentando, e nossos fogões – caríssimos - são usados nos fins de semana, ou para aquecer comida pronta.

Se desejamos ter um por quê para a retomada que intutitivamente nos atrai, talvez pensar em retomar nossas casas como centro de produção e não simplesmente como centros de consumo fosse um bom ponto de partida.


Deus nos criou fecundos. Não somente fecundos de filhos, mas da capacidade de criar, de produzir e de manter o ciclo da vida, e vida em abundância. Nos fez produtores, e isso nos torna sua imagem e semelhança. O ser humano consumidor, possuidor de um poder capaz de fazer surgir tudo que precisasse sem precisar usar as mãos, o talento e as habilidades dadas por Deus é fruto de uma distorção da criação.

Inicialmente somente os poderosos tinham acesso, por meio de muita força e violência, a ter casas imaculadas, a manter tudo em ordem sem precisar fazer força, a comer sem pensar na produção e a se deslocar sem precisar caminhar. Só um faraó, um César ou um rei, um nobre, em geral mantido no poder por meio de alguma forma de opressão, teria acesso a tais coisas. Inseguros, tais nobres viviam com medo, cercados de guardas, e usualmente sendo vítimas de inveja e traição.

Ambos os aspectos se tornam hoje parte da vida normal de uma crescente massa de pessoas. Que, tal qual os reis e nobres do passado, consomem, destroem, e se mantém aguerridamente apegados ao poder de possuir. Igualmente aos nobres do passado, passou a ser objetivo do ser humano comum delegar seus filhos a tutores, o dia inteiro e por longos períodos , para depois recebe-los de volta quando mais velhos e prontos para assumirem o papel de mandantes (nunca de produtores). Doze horas de estudo, longe dos pais, com tutores delegados era coisa de Rei, e hoje se tornou “direito de todos”.

Da mesma forma como este tipo de postura, no passado, criou impérios e gerou ruinas, nosso atual império de consumo e inabilidade se encaminha para o colapso. Se queremos sobreviver, retomar nossa humanidade e dar outro rumo à vida, é urgente que saibamos que voltar à situação para a qual Deus nos criou: seres criativos e com grande potencial de produzir e conduzir-se no ciclo da vida. Um aspecto que nos dá a dignidade intrínseca de sermos feitos à sua imagem e semelhança, partícipes da criação e produtores de comida, cultura e cultivo, fazendo tudo isso como a expressão da maneira adequada de cultuar.


Os desafios ambientais com os quais lidamos todo dia estão relacionados a essa transformação de nossas casas em Centros de Consumo.

Veja bem: Tudo que entra em casa gera embalagem e sai na forma de poluição. Nada fica, nada é aproveitado, tudo é jogado fora, como se “fora” existisse. Para tantos que falam de jogar algo fora, deve existir uma mágica no universo, uma vez que “fora” significaria uma espécie de buraco negro onde tudo sumiria, quando de fato o que ocorre é que nosso “fora” significa que algo que não queremos deva ser lançado na cabeça de outra pessoa, de outro sistema ou de outra vizinhança. Transformamos o Ciclo da vida em Cadeia de geração de lixo. E nos prendemos nessas correntes intermináveis que acabam por nos envenar corpos e mentes.

Para termos acesso a essa cadeia, buscamos dinheiro, e para obtê-lo nos submetemos a mais emprego. Nos coisificamos – reificamos segundo Marx – viramos peça de engrenagem e para manejar a situação buscamos ter mais e melhores empregos e com isso criamos muita poluição. Além de transformar a cadeia em algemas para a vida toda.

Para empregarmo-nos temos dois carros por família, ou usamos muito transporte de massa. Comemos comida pronta para ganhar tempo, inflamos as praças de alimentação de cada Shopping Center, onde produz-se em média dois containeres por dia de restos de alimento que irão apodrecer em um aterro sanitário. A cada refeição geramos saquinhos plásticos, colheres plásticas, copos plásticos, facas plásticas e muito papel, energia e barulho que acompanham cada empregado, ou executivo, enquanto usufrui de sua ração diária. Nossos filhos vão a escolas e geram mais engarrafamento e stress, mais transportes, mais lanchinhos, embalagens e mais embalagens. Como a comida deve ser fácil e rápida, snacks entram no lugar de frutas ou pães, e com isso mais embalagens. Máquinas e mais máquinas, roupas compradas em lojas, e tudo que nos auxilia a consumir mais, ter melhor aparência e adequarmos nossa vida ao emprego, polui e acelera o sistema. E como pagamento por nosso esforço, ganhamos dinheiro, para comprar mais, gastar mais e poluir mais.

Emprego polui. E só nos empregamos por que não sabemos fazer outra coisa a não ser gerar dinheiro, para comprar mais e fazer menos. E no meio disso, para obtermos a impressão de descanso, nos entretemos diante de alguma bobagem, para que o consumo nos tenha entre tempos. Nos divertimos, para que nossa mente divirja daquilo que é importante. Saímos em grupos, para não sermos importunados pela família. Ligamos a TV para desligarmos a mente daquilo que nos oprime.

Uma boa medida para combater a extrema poluição que assola nosso planeta seria a busca do Direito ao Desemprego Criador (um bom livro do Illich disponível aqui).

Por essas e outras razões, posso dizer que é importante que nossa agenda transcenda nossa simples consciência ecológica, ou nossa tendência ao uso de produtos naturais, ou nossos gostos pessoais. Para um por quê efetivo e que dê uma razão para obedecer aquilo que nossos corpos e mentes, de maneira intuitiva assim como quem tateia no escuro, nos estão levando a desejar.

Temos uma razão, nossa dignidade de seres humanos, criados à imagem de Deus e não frutos de uma acaso cósmico nos chama de volta, numa espécie de saudade daquilo que nunca conhecemos, para que possamos seguir em frente, leais e esperançosos na redenção que um dia nos alcançará.

Com muito carinho

Claudio Oliver – Primeiro dia da Primavera de 2010

sábado, 4 de setembro de 2010

Slavoj Zizek - Um filósofo que se pode usar como ponto de partida

O ponto que une Slavoj Zizek, Negri and Hard: a privatização do que nos é comum e o proletariado como o ser privado de substância, separado de seu trabalho, de sua libido e das coisas que porduz.
Outro pontointeressante para debate: como se articulam as opções locais e autônomas com as opções de organização coletiva conhecidas e usuais. Como a imporvisação e a organização se articulam em novos modos que servem como alternativa à espera da Grande Crise do capitalismo, sempre adiada por uns e muito esperada por outros.
Este vídeo pode servir como ponto de partida para um gupo que deseje discutir e aprofundar categorias místificadas no imaginário da modernidade tardia.
espero que sirva para alguém

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Recursos em urbicultura (agricultura urbana)

Muita gente me pede para falar sobre como vai meu estilo de vida, o que fazemos e como vamos tentando ser leais a nossa vocação.
Bem, sendo assim, decidi postar aqui alguns recursos, se servir para algo, fique a vontade para usar e replicar.
Um forte abraço, pois aqui sempre Há braços
De qualquer forma, e com a intencão de ajudar seguem assim os links:
- Sobre o nosso estilo de vida - reportagem do concurso de jovens jornalistas da CNN:

- Sobre o programa de jardins livres:

- sobre a feira de orgânicos, que deu origem há três anos ao atual coletivo de subsistência:

- sobre como construir canteiros de capilaridade
parte 1
parte 2

- sobre como construir a composteira modelo LA TRIBU a a composteira convencional
parte 1
parte 2

- sobre uma tipologia do lixo (em publicação, ... )

- sobre horticultura urbana

Para quem quiser ler sobre nosso estilo de vida aqui,
clique aqui e baixe a matéria completa do jornal "Gazeta do Povo"