domingo, 5 de outubro de 2008

40 dias sem rede, 40 dias pensando

Foi uma experiência interessante.
Foram 40 dias sem internet, sem telefone e sem muito contato a não ser usando a rede wireless de um amigo, e com isso sem tempo ou oportunidade para postar nada.
Estou com pilhas e pilhas de emails, coisas penduradas por fazer na rede, mas é inegável o fato de que sai deste tempo com muito o que pensar, e com muita coisa pensada.
A primeira e óbvia comparação acontece com este número de dias: 40.
É um número cheio de significados na Bíblia e na tradição judaica, um número que tem a ver com a maturidade da vida humana e com os aspectos de nossa realidade imanente. É o 4 da maturidade e plenitude humana, que quando junto ao 3 da perfeição divina da trindade, geram o 7, numero de Deus, que multiplica-se 70 vezes para revelar seu perdão inextinguível, que a besta - e os bestas - com seu 6, mesmo três vezes, vai ser sempre só quase, nunca 7.
São 4 os cantos da terra, são 4 os muros da cidade eterna, são 4 os ventos e os pontos cardeais, tudo que é perfeito na terra é 4, mas quando amadurece, se encorpa, ganha a robustez do dez e vira 40.
E tudo que é de amadurecer, de chegar no ponto, gira por ai.
Quarenta dias no deserto, foi o tempo de Elias em meio a sua depressão para descobrir que não estava só e que tantos outros joelhos não haviam se dobrado à unanimidade burra e ululante do sistema, aliás óbvio como todo sistema unânime.
 Antes choveu 40 dias e 40 noites e a turma que pensou que sujeira não se lavava, acabou imersa num dilúvio universal, pior que aquele que temem hoje os habitualmente irresponsáveis de Wall Street... era bom eles colocarem as barbas de molho em 40 águas.
Isaque tinha 40 anos quando finalmente casou-se com Rebeca, a quem amou à primeira
 vista. Moisés subiu no monte e ficou lá 40 dias e 40 noites, enquanto a turma se perdia atrás de um bezerro 
de ouro que não era mais que a projeção de suas próprias expectativas infantis e imaturas. E foram 40 dias que a turma de espiões levou para investigar a Terra prometida, para no fim se sentirem com medo e desanimarem. E isso acabou dando em 40 anos no deserto, rodando e rodando e comendo maná, abusando da paciência de Deus, até amadurecerem o suficiente para nela poderem entrar. 
Mesmo depois de lá chegarem, pisaram na bola, e lá foram mais 40 anos perdidos sob o mando dos filisteus.
Mas um dia começaram nova história, com um rei amigo de Deus, e Davi reinou 40 anos.
E Jesus, foram mais 40 dias no deserto, onde ficou falando consigo e com o Pai até que veio aquele que não tem o que fazer a não ser azucrinar e o tentou. Mas a besta não percebeu que depois de 40 dias seria difícil meter uma cunha naquela rocha.
E para não deixar dúvidas de que no fim das contas ele era mesmo de carne e osso, o Cristo ressuscitado andou por ali 40 dias, ensinando e animando aqueles que iriam virar o mundo de cabeça para baixo.
E também se chama de madura a pessoa aos 40, principalmente os homens que, mais tolos que as mulheres que amadurecem e embelezam aos 30, precisam de mais dez anos para dar um jeito em si mesmos.
Pois foram 40 dias sem internet, telefone e contato. A cabeça girou, as idéias rodaram e o corpo trabalhou e muito. Vamos ver o que sai disso.
Se você teve a paciência de ler até aqui, obrigado pela graça e se esperava que eu aparecesse de novo, estou ai, renovado por 40 dias privilegiados de encontro comigo mesmo.

6 comentários:

gabrielle disse...

Que bom que vc está de volta e inspirado!!
Vc faz muita falta!!
Com saudades da amiga,
Gabi.

Dago disse...

Uau... belo texto!
Dago

Anônimo disse...

Tb adorei o Texto. Uhuuu, viva o tempo de reflexão e a conexão!

Lirane disse...

Oi meu amigo

é bom ter você conectado novamente...que inspiração!!!! Profundo seu texto fico imaginando como foi a reflexão...!!!Adoro você cheio de idéias.
Beijos
Lirane

Gustavo Brandão disse...

Meu caro, não é minha área, mas acho que a boa música é a gestão equilibrada de som-silêncio, pausa & movimento! Na vida, vc teve (mesmo à força, pelas circunstâncias) o privilégio de fazer uma pausa... que bom! O desafio é agora refazer sua agenda a partir de momentos de pausa: vc define as pausas, depois preenche com os sons da vida, no ritmo certo: andante, alegro, bicicletante, viajante, vibrante - PAUSA - etc... Beijão e abraços!
Gustavo.

Pedalante disse...

Recuperou seu kairos,

Tempo de viver,
tempo de sorrir,
tempo de amar e
tempo de paz...